Category: Clientes

Sinfonia na Globo

Globo Rural mostra Sinfonia do Estado

Clique para visualizar

VGL na Reuters Brasil

CMN exige mais transparência em derivativos

 BRASÍLIA (Reuters) – O Conselho Monetário Nacional (CMN) determinou a obrigatoriedade de registro de operações de hedge com instituições financeiras do exterior ou em bolsas estrangeiras.

No final do ano passado, o Banco Central já havia definido que instrumentos financeiros derivativos vinculados a empréstimos captados no exterior teriam que ser registrados. Antes disso, o registro só era exigido de instituições financeiras que realizassem operações com derivativos no país.

A preocupação do governo com a exposição de grandes companhias a derivativos financeiros e sua transparência cresceu após problemas enfrentados por grupos como Sadia e Aracruz em 2008.

“A crise evidenciou diversas operações, inclusive no mercado de derivativos”, afirmou nesta quinta-feira a jornalistas o chefe do Departamento de Normas do BC, Sérgio Odilon dos Anjos, sem citar empresas.

“Isso nos levou a tomar medidas que estimulem a transparência”, disse, acrescentando que o BC terá assim condições de “dar mais segurança às ações que for tomar”.

Para o estategista-chefe do Banco WestLB do Brasil, Roberto Padovani, a medida não deve afetar a taxa de câmbio. “A ideia é aumentar a transparência dessas operações e, portanto, fazer com que você tenha um maior controle do risco sistêmico.”

Segundo o CMN, o registro deverá ser efetuado por meio de instituição financeira e demais instituições autorizadas a funcionar pelo BC, na Cetip ou pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O CMN acrescentou que, devido à necessidade de adequação de sistemas operacionais, tanto das instituições quanto das entidades que efetuam o registro das operações, a norma passa a vigorar a partir de 15 de março.

Para o advogado Ricardo Mourão, especialista em derivativos e sócio do escritório Velloza, Girotto e Lindenbojm, a medida representou um retrocesso no processo de liberalização cambial, ainda que a mudança seja positiva do ponto de vista da transparência.

“É uma burocracia a mais, que tira um pouco da dinâmica de um mercado que muitas vezes atende a necessidades urgentes”, disse.

(Reportagem de Isabel Versiani e Silvio Cascione)

Velloza, Girotto e Lindenbojmn no Estado de S. Paulo

 

FÓRUM SOCIAL MUNDIAL

Divisão de lucros é proposta de Mangabeira

Projeto foi discutido com intelectuais e entidades favoráveis à medida

Vannildo Mendes

É herança do ex-ministro Roberto Mangabeira Unger, que ocupou a Secretaria de Assuntos Estratégicos, o projeto de lei que obriga a distribuição de 5% dos lucros das empresas aos empregados. Unger discutiu a medida num círculo fechado de intelectuais e só deu conhecimento do seu contéudo a um grupo de entidades sindicais favoráveis à medida. O projeto tem nove artigos e integra um grupo de trabalho, com a participação do Ministério da Justiça, que deu o arcabouço jurídico ao projeto – ainda a ser submetido à Casa Civil antes de ir para o Congresso Nacional.

Leia mais clicando no link abaixo:

Velloza, Girotto e Lindenbojm no Estado de S. Paulo

Enken na Revista Siga

Sua empresa está plugada?

Banners, links patrocinados, busca orgânica, e-mail marketing e redes sociais. Estes são os principais meios de comunicação online que o mercado corporativo vem investindo atualmente, buscando maior interatividade com seus clientes, custos mais acessíveis nas campanhas de marketing e, o mais importante, abrangência. E, nesse quesito, a internet não deixa a desejar, pois está presente no dia a dia de aproximadamente 44,5 milhões de pessoas que acessa a web de casa ou do trabalho, de acordo com pesquisa divulgada pelo IBOPE Nielsen Online, no segundo semestre de 2009. leia mais.

Leia mais clicando aqui

Off Field na Valor Econômico

Gol na rede e no bolso

O contrato recém assinado entre Batavo e Flamengo, que rendeu 25 milhões, não é o mais caro da história do patrocínio esportivo. O recorde ainda está por vir. É o que prevê Eduardo Morato, diretor da OffField, empresa de marketing esportivo especializado em futebol, responsável pelo acordo.
O prognóstico demonstra as boas expectativas que Morato tem do mercado. Segundo ele, o futebol gera 80% de toda movimentação financeira do esporte brasileiro. “O que nós fazemos é a ‘ponte’ entre o futebol e o mundo corporativo, orientando e dando suporte para quem quer investir nesse segmento porque reconhecem seu potencial como um meio poderoso de comunicação com diversos públicos”.

Leia mais clicando aqui

Pen drive antipornografia na revista Info Exame

“Pen Drive” antipornografia

O Porn Detection Stick tem o jeitão de um pen drive, mas ele oferece outro tipo de proteção. Como o nome já entrega, o produto promete detectar a existência de material pornográfico nos computadores em que é conectado. Segundo a E-Net Security Solutions, que está trazendo o produto para o Brasil, ele é capaz de captar imagens eróticas visualizadas em sites pornográficos ou baixadas da internet, mesmo que tenham sido apagadas. A ideia é ajudar no combate aos crimes sexuais. O produto vai custar em torno de 550 reais.

Haysam Ali fala sobre a balada Velvet Club na Revista Época

Um novo rei na noita gay?

Não se deixe levar pelos poucos 23 anos de Haysam Ali. O recém formado publicitário provou ter faro para negóios ao anunciar a boate Velvet Club, que só será abeta no ano que vem com sete festas em diversos lugares da cidade. A primeira trará a dj Samantha Ronson ao Buddha Bar, no dia 17.

ÉPOCA SÃO PAULO: De onde surgiu a ideia de abrir uma nova casa gay?
HAYSAM ALI: Eu convivo nesse meio há bastante tempo e sentia falta de um clube que dividisse o público gay naturalmente por classe, como a Pink Elephant, que é para quem tem poder aquisitivo mais alto. Não existia esse segmento na balada gay e o meu clube vai ser o primeiro. Não quero competir com a The Week, até porque lá seria impossível segmentar público.

 Confira a entrevista completa clicando aqui

Haysam Ali fala sobre a Velvet Club para o Jornal da Tarde

Velvet Club: Club A dos gays

O empresário Haysam Ali, de 23 anos, decidiu entrar no mercado da noite trazendo pela primeira vez ao Brasil a DJ Samantha Ronson, ex-namorada da atriz Lindsay Lohan, que toca no Buddha Bar no dia 17, com entradas a R$200 (pista). Será a primeira festa do Circuito Velvet Club, que pretende atrair o público gay ‘AAA’ com dançarinos, cobras, tapete vermelho e Facebook.

O que é o Circuito Velvet Club?
Uma série de sete festas a cada dois meses, que vai culminar na abertura da boate Velvet Club, nos Jardins.

 

Leia a entrevista completa clicando aqui

Direct Talk na coluna Blue Chip do Valor Econômico

Força no olhar
 
 Lá se vão dez anos desde que a Direct Talk desenvolveu o primeiro programa de atendimento on-line via chat. Com a internet funcionando ainda no esquema discado para a maioria dos consumidores finais, a ferramenta era uma verdadeira revolução, que permitia contato em tempo real com as empresas, por meio do site.

Leia mais clicando aqui

 

Enken na Revista Época

Computador na hora do almoço

Cerca de 30% dos lares da Classe C têm pelo menos um computador. Alguns já contam com dois. Sua relação com a internet é peculiar. Enquanto o usuário das classes A e B acessa em média nove páginas cada vez que entra na rede, o da classe C acessa quatro – sendo que pelo menos duas são de redes sociais. “A classe A usa o computador para se comunicar com o mundo”, diz Carolina Escorel, diretora da consultoria A Ponte. “Já a classe C entra na internet para se comunicar com quem conhece e com sua comunidade.” leia mais.