Category: Brasil Econômico

Brother&Brother é destaque em matéria sobre customização no jornal Brasil Econômico

Empresas se adaptam ao gosto do freguês

Bob’s adapta lojas para customizar sanduíches. Nike permite personalização em seu site

Por Gabriela Murno

A expressão “o cliente tem sempre razão” nunca fez tanto sentido no varejo brasileiro. O mercado de customização de produtos, de origem europeia, vem ganhando força por aqui, e grandes empresas como Bob’s e Nike já aderiram ao modelo.

O caso da Brother&Brother, uma relojoaria online em que é possível montar um modelo, nao é diferente. Em uma ferramenta de customização, o cliente pode escolher a caixa, mostrador, ponteiros e pulseiras. São mais de 450 mil combinações praticamente exclusivas, uma vez que a tiragem das peças é limitada. Os preços variam de R$ 800 a R$ 1,2 mil.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo:

Brasil Economico - 05.09

 

 

Gisele Arantes, advogada do escritório Assis e Mendes, fala ao Brasil Econômico sobre campanhas eleitorais negativas nas redes sociais

Campanhas eleitorais negativas nas redes sociais: o que fazer?

Especialista em Direito Digital diz que a resposta à ofensa e aos boatos nem sempre pode ser a melhor alternativa

Por Eduardo Miranda e Bruno Dutra

“Os candidatos devem ter uma equipe grande monitorando tudo o que é dito sobre eles. Responder o comentário negativo de um eleitor na postagem pode ser complicado, porque o ato pode ser tomado como provocação. Se for algo leve, o candidato não deve comprar briga”, argumenta Gisele Arantes, especialista em Direito Digital e sócia do escritório de advocacia Assis e Mendes.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo:

Brasil Econômico_Gisele Arantes_Campanhas eleitorais_22_07_2014

L.OBaptista e Casa do Construtor participam de matéria sobre normas de regulamentação na construção civil no jornal Brasil Econômico

Novas regras para a construção

Antes mesmo de entrar em vigor, a partir de amanhã a Norma 16.280, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) – que determina novas regras para as obras em edifícios residenciais ou comerciais – já motiva desconfiança sobre sua afetividade.

O objetivo da nova normatização é aumentar a segurança na construção civil. Em 2012, foram registrados 62 mil acidentes.

Uma das críticas à norma não define meios de fiscalização. Apesar da obrigatoriedade de apresentação do projeto arquitetônico às prefeituras, não é necessário detalhar a estrutura técnica, que envolve a parte elétrica e de vigas, o que garantiria mais segurança aos projetos. Para Ricardo Medina, especialista em construção civil do escritório L.O. Baptista SVMFA, o positivo é que, apesar da falta de fiscalização, as empresas deverão adotar uma postura diferente no aspecto da segurança, em função das maiores chances de punições em casos de sinistro.

Outra transformação importante é que os síndicos terão a responsabilidade de aprovar a obra, a partir do parecer de um profissional habilitado. Expedito Arena, sócio-fundador da Rede Casa do Construtor, avalia essa mudança como positiva, visto que, em muitos casos, os moradores não têm acesso ao regulamento.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo 

Brasil Econômico_Casa do Construtor_22_04_2014

Dr. Fábio Chong, do L.O.Baptista Advogados, é fonte em matéria sobre ações trabalhistas

O grande entrave trabalhista

Por Edia Lula

O peso de 2 milhões de ações judiciais trabalhista apresentadas anualmente nos tribunais do trabalho assusta investidores e compromete a competitividade das empresas. Segundo o advogado Fábio Chong, sócio e especialista em direito trabalhista do escritório L.O.Baptista – SVMFA, a legislação que rege as  relações do trabalho é extensa, complexa e omissa em vários pontos. Acompanhe a matéria.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Brasil Econômico - LO

Diretores da Infracommerce e da Pieracciani participam de matéria na seção Estilo de Vida, do Brasil Econômico

Ondas do mar ensinam jogo de cintura, disciplina e foco

Por Priscila Dadona

Um gestor, um empresário e um profissional de tecnologia, embora sejam de áreas totalmente distintas têm em comum uma paixão: o surf. De gerações diferentes, estes três executivos levam a prática tão a sério que carregam os ensinamentos do mar para o escritório.

O jovem Francisco Forbes, co-fundador da Infracommerce, empresa de full service de e-commerce, como bom apaixonado que é, viaja todo mês para encontrar o mar. “É uma religião. Sou muito disciplinado, só não vou à
praia quando tenho compromisso profissional.”

Outro apaixonado pelo esporte radical é o sócio-fundador da Pieracciani, Valter Pieracciani, 55 anos e há 45 surfista. O empresário, de São Paulo, viaja religiosamente todos os fins de semana para a praia e é tão fanático que, no ano passado, só ficou três finais de semana sem surfar.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Fábio Vieira, do Mattos Muriel Kestener Advogados, fala ao Brasil Econômico sobre contratos internacionais

Brasil adere a tratado sobre contrato internacional

Por Juliana Garçon

O Brasil finalmente aderiu à Convenção de Viena sobre contratos internacionais de compra e venda de mercadorias (Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias— CISG, na sigla em inglês), informou a Secretaria Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) na última segunda.

O Brasil assinou o acordo em 1980, mas só no ano passado a adesão foi aprovada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado. Falta ainda a sanção presidencial, que pode ser feita até 1º de abril, data em que a participação do país passa a ser válida, de acordo com Fábio Vieira, sócio do escritório Mattos Muriel Kestener Advogados.

Para ler a notícia na íntegra, clique na imagem abaixo

GVP IT Solutions é destaque em matéria do Brasil Econômico sobre inovação no QR Code

O jeito de agilizar os canais de atendimento na empresa

Por Carolina Marcelino

O mercado brasileiro, especialmente as agências de marketing e publicidade, vêm utilizando variados recursos digitais para promover a interação entre as empresas anunciantes e seu público. Nos últimos dois anos, um dos recursos que mais ganhou campo foi o QR Code (do inglês Quick Response).

A novidade, agora, é o uso inovador proposto pela GVP IT Solutions – empresa especializada em tecnologia e inovação empresarial. Segundo o Supervisor de Relacionamento da companhia, Daniel Yokosawa, o QR Code pode ser utilizado estrategicamente  para levar o consumidor diretamente aos canais de atendimento das empresas, especialmente o chat mobile.

“O objetivo é facilitar o contato entre as partes, melhorar o atendimento ao cliente, fidelizar aquele  interlocutor e aperfeiçoar a performance de vendas, seja qual for o ramo de atividade da empresa”, conta.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Infracommerce é tema de matéria institucional no jornal Brasil Econômico

Infracommerce inicia atividades neste mês no comércio on-line brasileiro

Por Cristina Carvalho

O potencial de crescimento de 25% para este ano no mercado de e-commerce brasileiro, que tem faturamento estimado em R$ 28 bilhões, segundo dados do e-Bit, tem sido um chamariz para novos investimentos nessa área. Um exemplo que confirma o aquecimento do setor é o lançamento nos próximos dias da Infracommerce. A companhia tem foco no fornecimento de serviços completos para criação e gestão de lojas online e é formada por profissionais nacionais e estrangeiros especializados no tema.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Renata Sucupira Duarte, do Velloza & Girotto Advogados Associados, ganha destaque em matéria do jornal Brasil Econômico

Discriminação de importados em nota fiscal cai em 4 estados

Por Juliana Garçon

As empresas de quatro estados – Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais e Espírito Santo — estão desobrigadas, por decisão  da Justiça, de informar o valor da parcela de importação nas notas fiscais eletrônicas emitidas em operações interestaduais. Já há mais de 15 liminares liberando cerca de 240 companhias da obrigação, conforme apurou o BRASIL ECONÔMICO.

A obrigação foi instituída pelo Ajuste Sinief (Sistema Nacional de Informações Econômicas e Fiscais) número 19,  publicado pelo Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) em novembro de 2012, que regulamentou a Resolução 13 do Senado Federal. A regra entraria em vigor em 1º de janeiro, mas foi postergada para 1º de maio.

As empresas, porém, preferem manter em sigilo o valor da parcela importada porque seus parceiros comerciais tendem a analisar os custos de maneira simplista. “Dá a impressão de que todo o valor restante, além da importação, é margem e lucro”, diz Renata Sucupira Duarte, do Velloza & Girotto Advogados Associados.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Plataforma de e-commerce da PH3A é notícia da seção de Inovação e Empreendedorismo do jornal Brasil Econômico

Plataforma facilita comércio eletrônico de PMEs

Paulo César Costa deu início à PH3A após vender sua empresa especializada em software para base de dados. Como teve que ficar cinco anos fora do mercado por causa da concorrência, o executivo decidiu criar um startup em e-commerce. “Esta plataforma oferece nove soluções para os pequenos e médios empresários”, destaca Costa.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Fábio Vieira, do Mattos Muriel Kestener Advogados, assina artigo no jornal Brasil Econômico sobre Contratos de Compra e Venda Internacional

Nova regra sobre compra e venda internacional de mercadorias

Com a aprovação pelo congresso nacional e com a publicação do Decreto Legislativo n° 538/2012, o Brasil está agora a poucos passos  de incorporar a Convenção sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias ao nosso ordenamento jurídico. Os próximos passos serão a ratificação da Convenção pela presidente da República, sua adesão no plano internacional, sua promulgação por Decreto do Executivo e a respectiva publicação no Diário Oficial da União. Mas o que representa a CISG para o comércio internacional?

Para ler o artigo na íntegra, clique na imagem abaixo

Carlos Eduardo Stefanini Carvelatti, da Finnet, assina artigo sobre meios eletrônicos de pagamento no jornal Brasil Econômico

Meios eletrônicos de pagamento e a democratização do conceito – 2.0

Desde a criação da internet, durante a Guerra Fria até o gerenciamento 2.0, é notória a evolução tecnológica e a convergência do setor, caracterizada pela transição da moeda física a utilização de cartão de débito/crédito, chegada das lojas virtuais, como também formas de pagamento eletrônico e compra de produtos via mobile. No mercado B2B, a democratização dos meios eletrônicos é vista com bons olhos. As pequenas, médias e grandes empresas, que compraram softwares comercializados por poucas companhias de TI, hoje estão livres para escolher portais totalmente integrados às instituições financeiras, tornando acessível para qualquer empresa a gestão inteligente dos negócios.

Para ler o artigo na íntegra, clique na imagem abaixo

 

Brasil Econômico entrevista Michel Portino, do grupo Tie, sobre o 2° Fashion Law Brasil

Moda inicia temporada de proteção intelectual no país

Por Juliana Garçon

O aumento de renda, a internacionalização de marcas brasileiras e a chegada no país de grifes de luxo estrangeiras estão movimentando o setor de moda e, por consequência, as discussões judiciais em torno do universo fashion, que enfrente dificuldades peculiares – a necessidade de provar a inovação – e conta com mecanismos específicos para proteção dos direitos, exigindo dos profissionais conhecimento não apenas sobre direito, mas também sobre arte e design.

“A indústria brasileira de moda vem passando por modificações, com mais profissionalismo, formalização, exportações de maior valor agregado e reconhecimento no exterior de marcas e estilistas”, afirma o advogado Michel Portino, do grupo Tie, organizador do 2° Fashion Law Brasil, um evento dedicado ao tema.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Patricia Peck Pinheiro, do PPP Advogados, fala sobre o ‘Movimento Família Mais Segura na Internet’ ao jornal Brasil Econômico

Educação básica ainda requer mais atenção

Por Cláudia Bredariolli

Levantamento recente realizado pelo Movimento Família Mais Segura na Internet (ação de responsabilidade social digital idealizado pela advogada Patricia Peck Pinheiro) aponta que, em um universo de 1 mil escolas brasileiras, apenas 13% orientam crianças e adolescentes para a educação digital.

Para ler a notícia na íntegra, clique na imagem abaixo