Category: Conta Corrente

#TBT de resultados na imprensa – Samplify na Globo News

Ernesto Villela, presidente da Samplify, concedeu, em 13 de outubro de 2017, uma entrevista para o Programa Conta Corrente da Globonews sobre as táticas dos empreendedores para atrair consumidores. Ernesto acredita potencial do marketing de experimentação, e conta que criou uma tecnologia que vem transformando radicalmente o modelo de entrega de amostras grátis no Brasil. Em 2018, a Samplify chegou a distribuir 11 milhões de sampling de produtos.

Confira a matéria: http://g1.globo.com/globo-news/conta-corrente/videos/t/todos-os-videos/v/quais-as-taticas-dos-empreendedores-para-atrair-consumidores/6217077/

#tbt #Samplify #GloboNews #2017

 

Cobertura da imprensa na Expo Franchising 2016 gera visibilidade para clientes Ideias & Efeito

O saldo de imprensa dos clientes da Ideias & Efeito Comunicação na Expo Franchising 2016, que aconteceu na semana passada, em São Paulo, foi pra lá de positivo. Juntos, os executivos das redes Casa do Construtor, Jin Jin, Doutor Lubrifica e Evolute Cursos deram 33 entrevistas a veículos como GloboNews, Valor Econômico, DCI, UOL, IG, PEGN, Exame.com, revista Meu Próprio Negócio, revista Franquias & Negócios, entre outros.

Os resultados são fruto de uma estratégia planejada especificamente para o evento e colocada em prática com antecedência. Durante a feira e também previamente, a equipe da agência não só monitorou quais jornalistas estariam por lá e com quais demandas, como pautou boa parte deles com sugestões inteligentes e direcionadas ao perfil editorial de cada um.

Na imagem abaixo, o diretor da Doutor Lubrifica dá entrevista para o jornal Conta Corrente, da GloboNews. A matéria vai ao ar na quarta-feira (22/06).

 

IMG_4146

 

 

Conta Corrente, da GloboNews, entrevista gerente de RH da Finnet sobre uso de redes sociais para recrutamento

Redes sociais se transformam em importante ferramenta de recrutamento

Sheila Nunes, gerente de RH da Finnet – empresa especializada no desenvolvimento de produtos, soluções personalizadas e serviços relacionados ao envio e recebimento de documentos financeiros, – é entrevistada pelo Programa Conta Corrente em reportagem sobre recrutamento por meio das redes sociais.

Para assistir a reportagem na íntegra, clique aqui.

Dra. Carla Sarni, fundadora da Sorridents, participa do programa Conta Corrente, da GloboNews

Sorridents conta com 149 unidades e é a maior rede brasileira de clínicas odontológicas

 

Fundada em 1995, em São Paulo, a Sorridents surgiu com a proposta de oferecer tratamentos dentários para clientes da classe C.

Com o aumento da demanda, a cirurgiã dentista, Carla Sarni, apostou em um mercado e em um modelo de franquias para expandir o negócio. Hoje a rede conta com 149 clínicas e prevê abrir 29 novas unidades até o final do ano.

Para ver a entrevista na íntegra, clique na imagem ou no link abaixo 

 

http://globotv.globo.com/globonews/conta-corrente/v/sorridents-conta-com-149-clinicas-e-preve-abrir-20-novas-unidades-ate-o-fim-de-2013/2868813/

 

Dr. Kenneth Ferreira, especialista em mercado de capitais do Mattos Muriel Kestener Advogados, fala sobre alta do dólar à revista Carta Capital

Refaçam suas apostas 

Por Luiz Antonio Cintra

Nas últimas semanas, em meio aos protestos, o País enfrenta um ataque especulativo contra o real, não dos maiores, mas cuja resultante até aqui foi elevar a cotação a 2,27 reais, alta considerável desde 1º de janeiro, quando a moeda norte-americana era negociada a 2,04. Na quarta-feira 3, fechou na cotação mais elevada desde abril de 2009.

O movimento, dizem especialistas, reflete principalmente a mudança de clima nas finanças internacionais, provocada pelo banco central norte-americano, o Federal Reserve. Algumas semanas atrás, o presidente do Fed, Ben Bernanke, sugeriu a possibilidade de mudar o rumo de sua política, monetária, diante do que considera evidências de recuperação da economia do país.

Nas mesas de câmbio, no entanto, o contexto serve de combustível para inflar as dúvidas em torno da capacidade de  o Banco Central de Alexandre Tombini evitar a disparada do dólar, o que  afetaria a inflação. O BC, por sua vez, não pode deixar o real se valorizar novamente, por causa dos efeitos sobre a conta corrente do País, ora com déficit acumulado em 12 meses de 3,3% do PIB e em trajetória crescente. A esse dilema são somados os riscos relativos à desaceleração chinesa, com reflexos sobre a  exportações brasileiras de commodities e o fôlego do País para faturar em moeda forte.

O impasse animou a turma da especulação, que lamentavelmente passou a ser vista como a tábua da salvação. Os altos e baixos do dólar servem para lucrar em operações de elevado risco nos mercados futuros, incluídos os derivativos, nicho em que o País ocupa a sexta posição no ranking global, dominado por operações atreladas a moedas emergentes, destaque para a da Rússia e da Índia.

Segundo o advogado Kenneth Ferreira, sócio do escritório Mattos Muriel Kestener, os derivativos, apesar dos riscos, são “legítimos”, ainda que exijam práticas rígidas de governança. “Elas precisam estar adequadas à estratégia financeira das empresas e conforme a exposição do caixa às variações do dólar.”

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo