Category: Propaganda

redessociaisjuridico

Escritórios de advocacia devem usar redes sociais?

Estar ou não nas redes sociais é um tema de debate extenso entre profissionais do direito e escritórios de advocacia. O Código de Ética da prática advocatícia e o Provimento 94/2000 são claros quanto à presença de profissionais liberais do direito e escritórios de advocacia nestes canais: é permitida e recomendada a participação em redes sociais se o conteúdo produzido tiver caráter informativo, que agregue conhecimento e valor à área.

Qual o caminho para uma presença relevante nas mídias sociais, que não tenha caráter comercial, agregue valor ao escritório e preste serviço informativo aos usuários? Confira abaixo algumas dicas.

Escolha as redes sociais adequadas

Cada rede social tem uma particularidade de uso e de público. Entenda as diferenças entre as plataformas disponíveis no mercado e defina quais são mais adequadas ao seu perfil profissional ou ao perfil do seu escritório de advocacia. Facebook, Linkedin e Twitter são redes muito utilizadas por escritórios de direito. Abaixo, um resumo de cada uma destas plataformas:

– Facebook: é a rede social mais utilizada do mundo. Tem, atualmente, 2 bilhões de usuários ativos no mundo dos quais 102 milhões são brasileiros. O Brasil ocupa a 10ª posição no ranking dos países que mais utilizam a plataforma. Para páginas corporativas, o alcance orgânico das publicações no Facebook é extremamente baixo – 0,5% a 2% a depender da quantidade de fãs que a página possui. O lado positivo desta rede social é que todos os conteúdos podem ser impulsionados com valores mínimos (a partir de R$ 1 diário) para aumentar o alcance. Conteúdos com imagens e vídeos têm melhores resultados de alcance orgânico – isto é, alcançam a mais usuários. Para escritórios de advocacia o uso ideal do Facebook é para a captação de clientes B2C (pessoa física). Estratégias bem criadas devem considerar textos curtos, que expliquem de forma simples e sucinta o assunto tratado no post, imagens e vídeos. Os vídeos ao vivo também fazem parte de uma boa estratégia de conteúdo no Facebook, porque aumentam os resultados orgânicos de alcance de usuários.

– Linkedin: rede social focada em relacionamentos profissionais e empresariais. É uma excelente plataforma para prospecção de clientes B2B. Por ser uma plataforma focada no universo corporativo, escritórios de advocacia e profissionais liberais do direito conseguem maior relevância de forma mais rápida que no Facebook se seguirem boas estratégias de conteúdo. O Linkedin possui plataforma interna de publicação de artigos chamada Pulse, que permite aos usuários escrever e publicar textos sobre temas de seu interesse. O Pulse possui métricas próprias restritas a usuários premium e à parte das métricas de perfis pessoais ou Company Pages. Quando há engajamento dos usuários com os artigos publicados no Pulse, o conteúdo ganha relevância e passa a ser recomendado para mais usuários. Atualmente a rede tem 500 milhões de usuários ativos em mais de 200 países.

– Twitter: rede social de uso ágil bastante utilizada por jornalistas e formadores de opinião para a divulgação de notícias urgentes. Os textos têm até 140 caracteres e podem ser complementados com imagens, vídeos e links. Profissionais de direito e escritórios de advocacia utilizam esta rede para comentar os Trending Topics quando eles têm alguma relação com suas áreas de atuação. O Twitter possui 319 milhões de usuários ativos.

Analise a presença de outros escritórios de advocacia nas redes sociais

Antes de definir uma estratégia de conteúdo para a presença da banca jurídica nas redes sociais, analise a presença de outros escritórios e profissionais. Identifique o que eles fazem bem feito, entenda quais seriam seus diferenciais, como você abordaria o mesmo público e procure entender também a forma que seus clientes se comportam nas redes sociais em que você pretende estar.

Evite conteúdos que tenham caráter estritamente comercial – estes violam o Código de Ética e o Provimento 94/2000. Entenda a diferença: informar sobre mudanças de lei, alteração de códigos, falar sobre conquistas e aprendizados da sua prática advocatícia é diferente de fazer propaganda com teor “contrate um advogado”. Publique conteúdos que exponham sua área de domínio, que realmente prestem um serviço aos seus seguidores.

Tenha um blog

Ao invés de publicar textos muito extensos no Facebook crie um blog dentro de seu site. Desta forma a estratégia de conteúdo fica bem amarrada para os mecanismos de busca. Ao entender que você publica conteúdos sobre um determinado tema em seu blog e o divulga nas redes sociais, ferramentas como o Google conferem maior relevância às suas páginas, gerando cada vez mais tráfego orgânico para o blog e, consequentemente, para o site.

Contrate uma Assessoria de Comunicação

Assessorias de Comunicação possuem profissionais especializados em redes sociais, que traçam estratégia, criam conteúdos, acompanham tendências, notícias e variações no mercado, analisam e cruzam dados e produzem relatórios de resultados qualitativos e quantitativos a fim de gerar buzz para os canais de redes sociais do cliente. Converse com sua agência, faça bons briefings dos temas de domínio do escritório, eventos que participa, debates importantes e temas factuais que possam ser aprofundados ou discutidos. Assim é possível traçar um plano de inserção nas redes sociais adequado, interessante e que, ao longo do tempo, seja capaz de gerar leads para novos negócios.

Quer saber mais sobre o trabalho de mídias sociais para escritórios de advocacia? Entre em contato com a Ideias & Efeito.

Folha de S.Paulo entrevista Adriano Mendes, do Assis e Mendes Advogados, sobre uso corporativo do WhatsApp para propaganda

Mensagens comerciais no WhatsApp podem prejudicar empresa

Por Filipe Oliveira

O envio de mensagens de propaganda viola os termos de uso do WhatsApp, destinado a comunicação privada e não comercial.

Quem o faz pode ser classificado como “spammer” e ter sua conta banida do aplicativo, alerta o advogado da área do direito digital Adriano Mendes.

Para ler a matéria, clique na imagem abaixo:

 

Folha de SP

 

 

Fusão das agências SapientNitro e iThink, assessorada pelo Velloza & Girotto Advogados, é tema de matéria na revista Propaganda

Mais que um ponto no mapa

Por Renata de Salvi

No fim de 2011, os executivos da americana SapientNitro e o CEO da brasileira iThink começaram a conversar sobre a possibilidade de firmarem negócios em conjunto. Como qualquer transação do porte, as duas partes conversaram várias vezes, definiram e redefiniram os termos do possível contrato. Por volta de agosto do ano passado, o escritório Velloza & Girotto Advogados Associados foi procurado pela iThink para prestar assessoria nos próximos passos da negociação.

Segundo o Dr. Cesar Amendolara, responsável pela área de fusões e aquisições do Velloza & Girotto Advogados, diz que o principal desafio nesses processos é equilibrar o interesse das pessoas, o principal ativo de uma empresa de propaganda. “Quando se compra uma agência, o que está sendo adquirido são as pessoas, seu talento”, diz.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Enken e underDOGS participam de matéria sobre crescimento das empresas de marketing on-line no jornal Valor Econômico

Mídias sociais demandam especialistas

Por Jacilio Saraiva

As agências de propaganda online estão crescendo com a oferta de ações nas redes sociais. Segundo empresários do setor, os clientes querem transformar os endereços eletrônicos em pontos de venda eficientes. Por isso, pedem campanhas para atrair visitantes e contratam serviços de mensuração de resultados.

Na Enken, dona de contas como Gafisa e Citizen, a tática para conquistar mais contratos é investir em propostas para planejamentos estratégicos anuais, com atendimento no meio digital e off-line. “A ideia é se afastar de contratações pontuais e garantir o desenvolvimento de projetos”, diz o fundador da empresa, David Reck.

Na underDOGS, dona de um faturamento de R$ 3 milhões em 2011, a receita para criar um ambiente motivador e reter talentos combina ações como dias de folga, café da manhã, campeonatos de vídeo game e poker, além de frutas e sucos disponíveis o dia inteiro.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Tiago Luz, da Underdogs, é entrevistado pelo jornal O Globo sobre publicidade móvel no Facebook

Facebook atrás da publicidade móvel 

Por Rennan Setti

“Eu quero dissipar o mito de que o Facebook é incapaz de fazer dinheiro pelo celular”, disse Mark Zuckerberg a investidores de Wall Street quando a empresa divulgou os resultados financeiros do terceiro trimestre.

Tiago Luz, presidente da agência de marketing digital underDOGS, avalia que permitir a veiculação de anúncios nas páginas pessoais dos membros da rede social pode causar um efeito negativo no usuário, sobretudo quando ela é feita de forma pouco segmentada.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

 

David Reck, da Enken Comunicação Digital, assina artigo no jornal Propaganda & Marketing sobre personalização de ações publicitárias

Show de Truman, Matrix ou a nossa vida?

Por David Reck

A otimização sempre fez parte das metas de corporações de qualquer segmento e porte, e até mesmo da natureza humana. Todos  buscamos ser assertivos para conquistar o máximo de retorno com o menor esforço. No segmento publicitário sempre se falou muito a respeito, mais do que se conseguiu gerar de ações segmentadas com grande personalização, na proporção one to one. Mas, nos últimos anos, graças à evolução tecnológica, a publicidade passou a conseguir transformar esse discurso em realidade e construir ações que levam informação de maneira individual, personalizada.

Para ler o artigo na íntegra, clique na imagem abaixo

 

David Reck, da Enken, fala à revista Hospitais Brasil sobre marketing digital voltado para a área da saúde

Marketing digital: uma nova oportunidade para os hospitais

A empresa norte-americana de marketing interativo digital, Acsys Interactive, elaborou um estudo com o intuito de descobrir quais as estratégias e tendências para a comunicação online dentro do setor hospitalar. A pesquisa descobriu que 66,3% dos hospitais atualmente utilizam os canais tradicionais como impressão, mala direta e anúncio em rádio como principais investimentos no marketing e apenas 9,9% para outras ferramentas como SEM, banners e mídia social.

David Reck, diretor da Enken Comunicação Digital, agência especializada em comunicação, marketing e propaganda online, conta que as vantagens do investimento no meio envolvem construção de marca, relacionamento e viralização através do endosso de um feedback positivo. Segundo o profissional,  por ser um canal de duas vias, o online faz com que a empresa conheça mais de perto as necessidades do público, traz aproximação entre instituição e paciente com a sensação de acolhimento e calor humano e, ainda, forma um ativo através de uma audiência própria que não depende de outros veículos ou mídias pagas.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Dra. Patricia Peck fala ao jornal Propaganda & Marketing sobre ferramentas de interação com consumidores

Empresas têm de ser eficientes na rede

Por Claudia Penteado

O tema “Redes Sociais: Novos desafios para os titulares de direitos de propriedade intelectual” esteve na pauta do Congresso de Propriedade Intelectual promovido na semana passada, no Rio de Janeiro, pela Associação Brasileira de Propriedade Intelectual. Usadas como ferramenta de interação com consumidores, as redes sociais entraram no debate por meio do viés da gestão da marca na internet. Questões como concorrência desleal entre empresas, o uso de perfis falsos e o uso inadvertido de conteúdos com direitos autorais foram amplamente discutidos.

A especialista em direito digital Patricia Peck disse que estamos na sociedade do conhecimento e na era dos intangíveis. “Como proteger intangíveis? Tudo é desmaterializado, instantâneo, móvel. As marcas hoje vão nos bolsos dos consumidores, em seus smartphones.”

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo:

 

Revista Propaganda traz matéria sobre os 15 anos do Grupo J3P

Publicitário por um dia

Por Giselle Stazauskas

Além do bolo com velinha, os clientes do Grupo J3P animaram a festa de aniversário na sede da agência, em São Paulo, trocando de papel com os criativos. Por algumas horas, profissionais de empresas como Drogaria Onofre, Espaço Til, D&D Shopping, Artefacto, Scopel, Lopes, ABIT, Eurofarma, Bodytech, Editora Leya, Yuny, Open, entre outros, participaram da iniciativa “Publicitário Por um Dia”, e desenvolveram um anúncio comemorativo dos 15 anos da agência.

Para ler a notícia na íntegra, clique na imagem abaixo.


Revista Propaganda destaca talento gastronômico de Leo Spigariol, um dos diretores da Laika Design

Sofisticando a carne de segunda

Leo Spigariol, sócio do escritório Laika Design, ensina a preparar o ‘Risoto de Músculo’, prato de sua autoria

Por Renata Guerra

Quando morava na casa dos pais, Leo Spigariol, sócio da Laika Design, escritório focado em design gráfico e branding, nunca chegou perto do fogão. “Minha mãe não nos deixava por os pés na cozinha porque lá era o seu território”. Ele conta que aprendeu a cozinhar quando se casou e desde então é um aficionado por receitas.

A empolgação com a culinária é tanta que acabou contagiando quem está a sua volta. Neste ano, ele já deu quatro aulas para os amigos no escritório. Para a primavera, já combinou com o pessoal que o jardim da Laika estará aberto para as novas receitas – é lá que Leo gosta de colocar o fogão.

Clique nas imagens abaixo para ler a matéria completa

Advogada Patricia Peck Pinheiro em entrevista para a Revista Propaganda

Compromisso legal 

Ao ajudar clientes a desenhar estratégias de comunicação dirigida ao público infantil na internet, a advogada Patrícia Peck Pinheiro, mãe de um menino de 3 anos, descobriu que a maioria do mau uso – uso de imagem sem autorização prévia dos pais, plágio, difamação, entre outros – ocorrido na web ocorre por conta da falta de informação. Constatado o fato, Patrícia idealizou o Movimento Criança Mais Segura na Internet, com o intuito de informar os usuários sobre como deve ser a consuta no mundo digital. Sua importância pode ser mensurada pelo fato de que conta com patrocínio da Fundação Bradesco, Petrobras e Mattel do Brasil. Os filmes de conscientização foram vistos por mais de 1 milhão de pessoas e mais de 5 mil baixaram a cartilha digital desde outubro de 2009, ínicio das atividades do Movimento. Nesta entrevista, ela fala um pouco mais sobre o projeto e de como as marcas devem se prevenir legalmente para construir uma comunicação destinada às crianças na internet. 

Leia mais clicando aqui