Category: O Tempo

poder-da-influencia

O poder da influência

O primeiro episódio da terceira temporada de Black Mirror, série original da Netflix, mostra uma sociedade cuja moeda corrente é a influência digital. A trama apresenta a vida de uma moça com pontuação de 4,2 estrelas que se desespera para alcançar um score melhor ao receber o convite de casamento de uma amiga com 4,9 estrelas. Parece absurdo, mas não é.

Com a popularização da internet todos nós passamos a ser produtores e disseminadores de conteúdo. Essa produção intelectual virou negócio. Fóruns no mIRC deram lugar a plataformas de troca de arquivos, salas de bate-papo foram substituídas por redes sociais, youtubers conquistam audiências que fariam inveja a emissoras de tevê, blogueiros são integrados a grandes portais de notícias, tuiteiros viram marketeiros de políticos e grandes empresas, instagramers tornam-se celebridades. A transformação se acontece à medida que essas pessoas, que até então cidadãos comuns, alcançam cada vez mais audiência e passam a ser formadores de opinião.

O  que faz com que usuários comuns virarem influenciadores? O tempo dedicado à construção da própria marca. Todas as redes sociais possuem métricas e indicadores de resultado. Quem cresce em audiência simplesmente está entendendo quais indicadores devem direcionar sua produção de conteúdo. O retorno disso é o engajamento que seu material alcança.

Quanto vale o like?

Estudos indicam que as redes sociais representam um dos principais motivos de depressão na adolescência e no começo da vida adulta. Empresas entendem que o like em seu conteúdo social indica um possível crescimento em suas vendas, assim como a queda no número de likes pode indicar sinais de crise.

Mark Zuckerberg, criador do Facebook, foi relutante sobre o uso publicitário de sua rede social. O mesmo Mark Zuckerberg hoje muda as regras de publicidade frequentemente para que os profissionais de comunicação e marketing sejam mais criativos e explorem mais possibilidades de ganhar relevância orgânica em sua plataforma.

Em tese, isso significa que quem não investe, não aparece. E isso é praticamente lei para muitas empresas. Há, porém, aquelas que investem em melhores equipes de conteúdo e num trabalho mecânico muito utilizado no começo da comunicação em redes sociais — o seeding. Diferente do spamming, o seeding é feito por perfis pessoais — normalmente community managers ou pessoas ligadas a marca que possuem boa reputação ou score. Esses perfis compartilham o conteúdo de uma empresa/site/portal em suas redes particulares e em grupos de usuários que podem se identificar com tal assunto.

O trabalho de seeding deve ser cauteloso para que quem o faz não sofra queda em seu score ou reputação. É muito importante que a pessoa responsável pelo seeding possa falar pela marca e participar de debates ativamente, de forma que os mecanismos anti-spam das redes sociais não  bloqueiem.

O Buzzfeed é um bom exemplo de plataforma que utiliza bastante o trabalho de seeding. Os colaboradores da empresa compartilham em massa seus conteúdos, de forma a aumentar o poder viral de cada post. Toda vez que a empresa abre uma nova área de conteúdo, esta área ganha canais exclusivos para si nas redes sociais. Para conquistar seguidores, porém, a página principal do site também compartilha os conteúdos das novas páginas.

O exemplo mais recente deste tipo de trabalho realizado pelo Buzzfeed é a página “Todo dia um teste diferente do Buzzfeed”, criada em 28/07. Três dias depois de sua criação, a página já conquistou mais de 22 mil seguidores — todos de forma orgânica.

Social Selling Index (SSI)

O Linkedin criou uma métrica chamada Social Selling Index, que atribui aos usuários o seu potencial de venda social. A ferramenta é destinada apenas a usuários, e não a Company Pages, e serve para definir o poder de venda do perfil a partir das interações que ele faz, da relevância dos conteúdos que ele publica e de sua participação em debates.

O princípio do Social Selling Index é o mesmo do seeding, mas a premissa é mais interessante se aplicada ao mundo dos negócios: ninguém pode explicar melhor que você sobre o seu trabalho, suas dificuldades e suas conquistas. Assim, se você é um usuário relevante na rede, as suas chances de gerar negócios para a sua empresa aumentam.

Um bom exemplo disso é o perfil de Luiza Helena Trajano, a presidente do Magazine Luiza. A Company Page da marca tem um média 4,2% de engajamento com seus conteúdos. Luiza alcança engajamentos de 15 a 18% com artigos ou compartilhamentos de links.

Quão influente você é?

Existem diversas plataformas que indicam o nível de influência e os principais tópicos de domínio de todos os usuários. A mais conhecida delas é a Klout — criada em 2012 para medir o score viral dos usuários do Twitter. Posteriormente a Klout passou a analisar a pontuação das pessoas por tópico de interesse e em todas as redes sociais — indicando qual plataforma social oferece este produtor de conteúdo sua maior audiência e quais são seus principais temas de sucesso.

Estas ferramentas mensuram a participação em discussões, o número de publicações feitas diariamente, os tipos de conteúdo que mais geram engajamento de outros usuários (respostas, compartilhamentos, curtidas) e indicam em quais áreas de maior ou menor influência, de forma que ele minimize seus esforços e produza um conteúdo mais certeiro para seu público cativo.

Influenciador ou celebridade?

Adolescentes e jovens adultos sonham em ser youtubers. Isso acontece porque nomes como Felipe Neto, PC Siqueira, Kéfera e Whindersson Nunes, dentre muitos outros, conquistaram a fama a partir de uma estrutura básica de produção — uma câmera na mão e uma ideia na cabeça.

Conforme suas audiências aumentam, os youtubers passam a ter retorno financeiro — através do próprio Google, no formato de AdSense, mas também através de contrato com marcas que pagam ao dono do canal pela divulgação de seu produto ou serviço.

O trabalho de criação de uma marca pessoal em ambiente digital é de longo prazo e de atualização constante. Muitos jovens desistem deste “sonho” quando percebem o tanto de tempo que este tipo de construção de imagem toma.

Para fins corporativos não é diferente. A não ser que sua empresa possa investir pesado em anúncios online para gerar tráfego e possua uma equipe de conteúdo, dificilmente seus negócios crescerão no ambiente online do dia para a noite. A matemática do marketing digital é simples — quanto mais dinheiro se investe, maior e mais rápido é o seu retorno. O conteúdo é essencial de toda forma já que quanto melhor for seu material, maior será sua pontuação de indexação pelos mecanismos de busca e redes sociais.

Se você só investe em anúncios, mas o conteúdo não é grande coisa, seu retorno é mais rápido, mas é também limitado. Para fugir deste tipo de problema o essencial é fazer um planejamento bastante completo antes de começar a agir em ambiente digital. Entender quem são seus concorrentes, como eles se comportam, de que forma o seu material pode ser mais relevante ou mais completo que o dele, a periodicidade de publicações em cada plataforma social que for utilizada e assim por diante. Assim a sua estratégia é traçada de maneira completa e funcional.

Quer bater um papo sobre estratégia digital? Entre em contato conosco.

redessociaisjuridico

Escritórios de advocacia devem usar redes sociais?

Estar ou não nas redes sociais é um tema de debate extenso entre profissionais do direito e escritórios de advocacia. O Código de Ética da prática advocatícia e o Provimento 94/2000 são claros quanto à presença de profissionais liberais do direito e escritórios de advocacia nestes canais: é permitida e recomendada a participação em redes sociais se o conteúdo produzido tiver caráter informativo, que agregue conhecimento e valor à área.

Qual o caminho para uma presença relevante nas mídias sociais, que não tenha caráter comercial, agregue valor ao escritório e preste serviço informativo aos usuários? Confira abaixo algumas dicas.

Escolha as redes sociais adequadas

Cada rede social tem uma particularidade de uso e de público. Entenda as diferenças entre as plataformas disponíveis no mercado e defina quais são mais adequadas ao seu perfil profissional ou ao perfil do seu escritório de advocacia. Facebook, Linkedin e Twitter são redes muito utilizadas por escritórios de direito. Abaixo, um resumo de cada uma destas plataformas:

– Facebook: é a rede social mais utilizada do mundo. Tem, atualmente, 2 bilhões de usuários ativos no mundo dos quais 102 milhões são brasileiros. O Brasil ocupa a 10ª posição no ranking dos países que mais utilizam a plataforma. Para páginas corporativas, o alcance orgânico das publicações no Facebook é extremamente baixo – 0,5% a 2% a depender da quantidade de fãs que a página possui. O lado positivo desta rede social é que todos os conteúdos podem ser impulsionados com valores mínimos (a partir de R$ 1 diário) para aumentar o alcance. Conteúdos com imagens e vídeos têm melhores resultados de alcance orgânico – isto é, alcançam a mais usuários. Para escritórios de advocacia o uso ideal do Facebook é para a captação de clientes B2C (pessoa física). Estratégias bem criadas devem considerar textos curtos, que expliquem de forma simples e sucinta o assunto tratado no post, imagens e vídeos. Os vídeos ao vivo também fazem parte de uma boa estratégia de conteúdo no Facebook, porque aumentam os resultados orgânicos de alcance de usuários.

– Linkedin: rede social focada em relacionamentos profissionais e empresariais. É uma excelente plataforma para prospecção de clientes B2B. Por ser uma plataforma focada no universo corporativo, escritórios de advocacia e profissionais liberais do direito conseguem maior relevância de forma mais rápida que no Facebook se seguirem boas estratégias de conteúdo. O Linkedin possui plataforma interna de publicação de artigos chamada Pulse, que permite aos usuários escrever e publicar textos sobre temas de seu interesse. O Pulse possui métricas próprias restritas a usuários premium e à parte das métricas de perfis pessoais ou Company Pages. Quando há engajamento dos usuários com os artigos publicados no Pulse, o conteúdo ganha relevância e passa a ser recomendado para mais usuários. Atualmente a rede tem 500 milhões de usuários ativos em mais de 200 países.

– Twitter: rede social de uso ágil bastante utilizada por jornalistas e formadores de opinião para a divulgação de notícias urgentes. Os textos têm até 140 caracteres e podem ser complementados com imagens, vídeos e links. Profissionais de direito e escritórios de advocacia utilizam esta rede para comentar os Trending Topics quando eles têm alguma relação com suas áreas de atuação. O Twitter possui 319 milhões de usuários ativos.

Analise a presença de outros escritórios de advocacia nas redes sociais

Antes de definir uma estratégia de conteúdo para a presença da banca jurídica nas redes sociais, analise a presença de outros escritórios e profissionais. Identifique o que eles fazem bem feito, entenda quais seriam seus diferenciais, como você abordaria o mesmo público e procure entender também a forma que seus clientes se comportam nas redes sociais em que você pretende estar.

Evite conteúdos que tenham caráter estritamente comercial – estes violam o Código de Ética e o Provimento 94/2000. Entenda a diferença: informar sobre mudanças de lei, alteração de códigos, falar sobre conquistas e aprendizados da sua prática advocatícia é diferente de fazer propaganda com teor “contrate um advogado”. Publique conteúdos que exponham sua área de domínio, que realmente prestem um serviço aos seus seguidores.

Tenha um blog

Ao invés de publicar textos muito extensos no Facebook crie um blog dentro de seu site. Desta forma a estratégia de conteúdo fica bem amarrada para os mecanismos de busca. Ao entender que você publica conteúdos sobre um determinado tema em seu blog e o divulga nas redes sociais, ferramentas como o Google conferem maior relevância às suas páginas, gerando cada vez mais tráfego orgânico para o blog e, consequentemente, para o site.

Contrate uma Assessoria de Comunicação

Assessorias de Comunicação possuem profissionais especializados em redes sociais, que traçam estratégia, criam conteúdos, acompanham tendências, notícias e variações no mercado, analisam e cruzam dados e produzem relatórios de resultados qualitativos e quantitativos a fim de gerar buzz para os canais de redes sociais do cliente. Converse com sua agência, faça bons briefings dos temas de domínio do escritório, eventos que participa, debates importantes e temas factuais que possam ser aprofundados ou discutidos. Assim é possível traçar um plano de inserção nas redes sociais adequado, interessante e que, ao longo do tempo, seja capaz de gerar leads para novos negócios.

Quer saber mais sobre o trabalho de mídias sociais para escritórios de advocacia? Entre em contato com a Ideias & Efeito.

Você está preparado para contratar um Assessor de Imprensa?

Antes de escolher um profissional que tratará diretamente da exposição de sua marca na mídia – em forma de notícia -, é necessário atentar para alguns pontos que serão o diferencial deste profissional em sua organização. Vamos a eles:
 
1. Habilidade de argumentação
Vender uma ideia a um veículo de comunicação não é tarefa fácil, sua pauta vai disputar espaço com diversos outros assuntos. O que mais se ouve dos jornalistas nas redações é um ‘não’ seguido de alguma explicação do porquê da negativa. Saber “vender” bem o gancho da matéria que está sugerindo, quais os seus desdobramentos e, principalmente, argumentar de forma inteligente a favor de sua ideia, são capacidades imprescindíveis para bons resultados.
 
2.     Capacidade de contextualização
Conseguir bons espaços na mídia demanda persistência e resiliência na mesma medida: saber a hora certa de publicar uma notícia, onde e porquê, saber usar os fatos do cotidiano a favor de sua marca. A sua empresa, por si só, não é necessariamente notícia. Conseguir estabelecer um link entre seus negócios e temas macro ou factuais é uma ótima saída para a conquista de espaços positivos. Encontrar boas oportunidades exige dedicação – e não sorte – , além de criatividade e uma boa dose de capacidade de contextualização.
 
3.      Domínio de mais de uma língua
Vivemos em um mundo globalizado e igualmente conectado. A apuração de informações para uma pauta pode crescer se a consulta envolver fontes internacionais, assim como a participação em eventos e a capacidade de entrevistar não deve ficar limitada por conta do idioma.
 
4.       Escrita impecável
Essa é, talvez, uma das principais características que um assessor de imprensa deve ter. E nem todo jornalista tem o dom da escrita. Os textos devem ser coesos, coerentes, altamente informativos e livres de erros gramaticais.
 
Com essas características, com certeza um assessor tem a base para desempenhar muito bem o seu trabalho. As demais qualidades vêm com o tempo e experiência de mercado.
 
Siga nossa página no LinkedIn! http://bit.ly/1LfN0yI

Valter Pieracciani, especialista em inovação, fala à IstoÉ Dinheiro sobre tecnologia na indústria automobilística

O futuro chegou

Montadoras e empresas de tecnologia dão a largada na corrida para revolucionar o setor automobilístico mundial. A direção autônoma e as novas tecnologias de propulsão, como a energia elétrica e o hidrogênio, prometem redesenhar os automóveis atuais

Por: Carlos Eduardo Valim

No filme De Volta para o Futuro II, de 1989, os protagonistas Marty McFly e Doc Brown fazem uma viagem no tempo que os leva para 21 de outubro de 2015. O futuro trazia algumas tecnologias impressionantes, como carros e skates voadores. Os fãs da série passaram as últimas três décadas imaginando se o filme acertaria nas suas previsões tecnológicas. Um quarto de século depois, os céus das grandes cidades continuam exclusivos para aviões, helicópteros, drones e pássaros e não há nenhuma indicação de que os automóveis voadores estarão nos ares até outubro, como se viu no cinema.

Mas não se engane: a tecnologia futurística dessa indústria está cada vez mais presente na vida dos motoristas. Eles já driblam o engarrafamento caótico das metrópoles com a ajuda de aplicativos de trânsito e geolocalização e, antes do que você pensa, estarão passeando em veículos autônomos. Os carros de amanhã conversarão com os computadores e sistemas de controle de tráfego e decidirão por onde e como irão ao destino programado, enquanto o passageiro – ou ex-motorista – assiste a um filme ou joga um videogame.

O avanço do carro autônomo pode ser mais rápido do que o esperado. “Não há mais motivos para termos motoristas, a não ser por esporte”, diz Valter Pieracciani, sócio da consultoria de inovação Pieracciani Desenvolvimento de Empresas, que presta serviços para marcas como Alfa Romeo e Fiat. “A tecnologia vai chegar mais depressa a nós do que imaginamos.”

Para ler a matéria na íntegra, clique nas imagens abaixo:

Casa do Construtor participa de matéria sobre regulamentação na construção civil no Jornal do Comercio, de Porto Alegre

Setor de maquinas pede mudanças em norma

Por Nestor Tipa Junior

Uma norma regulamentadora aprovada em 2010 está preocupando representantes da construção civil no Brasil. A chamada NR 12 incide sobre a segurança do trabalho no uso de máquinas para o setor.

A reclamação principal é sobre o tempo de adaptação das empresas para ajustar e adquirir máquinas. Segundo o vice-presidente da Associação Brasileira de Locadoras de Equipamentos (Alec), Expedito Eloel Arena, o impacto econômico para as empresas que fornecem os materiais para as obras tem sido grande. Ele cita cálculos elaborados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) apontando que, para adequação de todo o parque de máquinas do País, são necessários pelo menos investimentos de R$100 bilhões.

O vice-presidente da associação, que também é sócio-diretor da Casa do Construtor, empresa especializada na locação de equipamentos, afirma que as mudanças são benéficas e essenciais, mas que precisam ser feitas de forma gradativa, pois não existem no mercado máquinas que atendam às exigências da norma.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Jornal do Comercio - Porto Alegre_07 DE ABRIL

blog-image2

Working Like a Workaholic

Nullam adipiscing sapien ut mi elementum sit amet dictum magna luctus. Donec id ligula ut tellus ultricies ornare quis vel nunc lorem ipsum dolor sit amet.

Read More

Audio Post

Nullam adipiscing sapien ut mi elementum sit amet dictum magna luctus. Donec id ligula ut tellus ultricies ornare quis vel nunc lorem ipsum dolor sit amet.

Read More

Dr.Felipe Medaglia, do MMK Advogados, fala ao jornal DCI sobre as mudanças na tributação relativas ao comércio exterior

Mudanças confundem regras na defesa comercial do País

Por Paula de Paula

O governo parece estar um pouco confuso sobre quais ações tomar em relação à contribuição de comércio exterior. Ao mesmo tempo que a balança comercial registrou o pior déficit comercial da  história, a indústria utiliza muitos produtos importados que podem encarecer a produção e como estímulo, medidas de redução do imposto sobre insumos vindos do exterior tem sido constantes no País.

Segundo o advogado especialista em direito tributário do escritório Mattos Muriel Kestener, Felipe Medaglia, “toda a legislação tributária é confusa, as mudanças são constantes e os prazos muitas vezes são mudados no meio do caminho”, disse.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo 

Dra.Marcela Baptista, da Sorridents, fala ao jornal Agora SP sobre importância de rapidez no atendimento à saúde bucal

1 em cada 5 postos leva 1 mês para marcar dentista

Por Léo Arcoverde

Uma em cada cinco UBSs (Unidade Básicas de Saúde) da capital faz o paciente esperar mais de um mês por uma consulta com dentista.

Segundo dados obtidos pelo Agora por meio da Lei de Acesso à Informação, em 54 dos 290 postos que agendavam consulta no dia 4 de junho, o tempo de espera para a realização da primeira consulta era superior a 30 dias.

Prolemas na saúde bucal, quando não tratados, podem provocar, em um longo prazo, danos graves ao paciente, segundo especialistas.

De acordo com a dentista da rede Sorridents, Marcela Baptista Encinas, uma bactéria de um abscesso (acumulação de pus) na boca pode entrar na corrente sanguínea e se alojar em órgãos como coração e pulmões. “Uma simples cárie, se não tratada, pode obrigar o paciente a extrair o dente”, afirma.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

 

Revista Crescer entrevista Dr. Gerd Schreen, da Cranial Care, sobre prevenção e tratamento de assimetrias cranianas em bebês

É coisa de bebê

Por Malu Echeverria

O sistema imunológico do bebê é imaturo, por isso até crianças saudáveis podem apresentar alterações em seus primeiros meses. Qualquer sintoma deve ser comunicado ao pediatra. As consultas periódicas evitarão que algo passe batido aos olhos do médico. E o melhor é que existem soluções simples para tratar os probleminhas típicos dos bebês. Aprenda!

Cabeça achatada

A alteração está associada à posição que o bebê fica deitado. Algumas crianças já nascem assim por conta da falta de espaço no útero (no caso de gêmeos), líquido amniótico escasso ou por terem se encaixado precocemente na pelve da mãe. Mas a maioria desenvolve o problema depois, ao ficar muito tempo na mesma posição.

Para ler a matéria na íntegra, clique nas imagens abaixo.

Carlos Coelho, da UNS Idiomas, fala ao Valor Econômico sobre conversão de bandeira no setor de franchising

Estratégia ideal para conquistar o interior

Por Kátia Simões

De um lado, o pequeno empresário com boa clientela e tradição, que teme ser engolido pela concorrência. Do outro, grandes redes em busca de candidatos a franqueados com vasta experiência, domínio da região em que atuam, reconhecimento da clientela e pontos já instalados. Some a isso o crescimento da demanda por marcas conhecidas em cidades com menos de 200 mil habitantes e está criado o cenário para explicar o sucesso das  franquias de conversão, que transformam negócios independentes em unidades franqueadas.

Carlos Coelho, gerente de franquias da UNS Idiomas, conhece bem o peso da aculturação dos novos parceiros para o sucesso da rede. “As pessoas chegam com seus próprios métodos de ensino e de gestão, muitas vezes com vícios”, declara. “Temos que quebrar alguns paradigmas para incutir o DNA da rede. Com isso, o tempo de maturação da franquia pode aumentar”.

Para ler a notícia na íntegra, clique na imagem abaixo

 

 

 

 

 

 

Dra. Débora Trovões, do Velloza & Girotto Advogados, assina artigo no Valor Econômico sobre novas regras do Cade

A declaração premiada e seus benefícios

Por Débora Trovões

As novas regras para celebração de compromisso de cessação com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), conforme aprovadas na 17ª sessão de julgamento do órgão antitruste, apresentam às empresas e a seus representantes uma difícil decisão. Paradoxalmente, o órgão apresenta estímulos e desincentivos para que os representados por conduta anticompetitiva, como aumento arbitrário de lucros ou cartéis, por exemplo, firmem o Termo de Compromisso de Cessação (TCC). Isso ocorre porque, ao mesmo tempo em que é oferecida uma redução significativa no valor da multa aplicável, com faixas pré-definidas de “desconto”, o  representado precisa confessar sua participação na conduta ilícita.

A ideia é conceder o benefício de redução da pena pecuniária aos que estejam dispostos a colaborar com as investigações da conduta infratora à ordem econômica, caso o processo ainda esteja em fase de instrução.

Para ler a notícia na íntegra, clique na imagem abaixo

 

 

Diretor da UNS Idiomas fala ao Jornal do Comércio (MG) sobre cursos para executivos nas férias

Profissionais usam férias para estudar

Por Julia Duarte

Um semestre em um mês

O período de férias também é o momento de adiantar os estudos quando o assunto é idioma. Muitos alunos aproveitam para cursar um módulo inteiro em apenas um mês.

Na UNS Idiomas a demanda maior nesta época do ano é pelo curso intensivo completo, que dura um ano e meio. Neste ano, especialmente, a procura está ainda maior. O gerente de franquias da rede, Carlos Coelho, afirma que a Copa do Mundo, em junho de 2014, está fazendo com que as pessoas corram contra o tempo quando o assunto é o ensino de inglês.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Thiago Sarraf, da Enken, participa de matéria no jornal O Tempo (BH) sobre cupons de desconto no e-commerce

Cupons prometem ser a nova febre do comércio eletrônico

Por Priscila Brito

Os cupons, que já são muito comuns nos Estados Unidos, devem virar rotina no Brasil. As compras com descontos emitidos por lojas e grandes marcas começam a ganhar terreno no país e já existem sites personalizados em agregar os cupons.

Descontos não excluem necessidade de pesquisa

A profusão de descontos oferecidos pelos cupons não deve ser motivo para não abrir mão de regras básicas de consumo, como comparar preços e pesquisar antecedentes de empresas antes de comprar, orientam especialistas. “O consumidor tem que se precaver. Pesquisar, olhar no Reclame Aqui, escolher lojas com credibilidade”, diz o diretor de e-commerce da Agência Enken, Thiago Sarraf.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo