Category: Cranial Care

Dr. Gerd Shreen, da Cranial Care, é destaque em matéria sobre Dia dos Pais no Portal UOL

Conheça a história de pais que são verdadeiros heróis

Por Thaís Macena

Pai de Christine Schreen, de 8 anos, o médico Gerd Schreen, de 41, de São Paulo foi pego de surpresa quando a filha, aos quatro meses, foi diagnosticada com plagiocefalia, problema raro que fazia a cabeça de menina pender para um dos lados. No Brasil,  não havia tratamento à época. Inconformado, Gerd pesquisou a fundo e entrou em contato com médicos do mundo inteiro. Nos Estados Unidos, descobriu o melhor tratamento, feito com órtese (espécie de capacete).

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo 

Revista Crescer entrevista Dr. Gerd Schreen, da Cranial Care, sobre prevenção e tratamento de assimetrias cranianas em bebês

É coisa de bebê

Por Malu Echeverria

O sistema imunológico do bebê é imaturo, por isso até crianças saudáveis podem apresentar alterações em seus primeiros meses. Qualquer sintoma deve ser comunicado ao pediatra. As consultas periódicas evitarão que algo passe batido aos olhos do médico. E o melhor é que existem soluções simples para tratar os probleminhas típicos dos bebês. Aprenda!

Cabeça achatada

A alteração está associada à posição que o bebê fica deitado. Algumas crianças já nascem assim por conta da falta de espaço no útero (no caso de gêmeos), líquido amniótico escasso ou por terem se encaixado precocemente na pelve da mãe. Mas a maioria desenvolve o problema depois, ao ficar muito tempo na mesma posição.

Para ler a matéria na íntegra, clique nas imagens abaixo.

Revista Claudia Bebê destaca clínica Cranial Care em duas páginas de matéria sobre assimetrias cranianas

Assimetria Craniana

Por Patrícia Gattone

Você já deve ter notado que, nos primeiros meses de vida,  alguns bebês costumam ter um lado da cabecinha diferente do outro. Um estudo realizado pela Escola de Medicina de Harvard comprovou que 12% dos recém-nascidos realmente apresentam essa deformidade. No Brasil, isso significa que, entre os 2,9 milhões de bebês nascidos em 2008 (data do último levantamento do Ministério da Saúde), cerca de 350 mil tinham plagiocefalia posicional, mais conhecida como assimetria craniana.

Segundo o Dr. Gerd Schreen, fundador da Cranial Care,  clínica especializada no tema e localizada em São Paulo, nos primeiros meses de vida o cérebro da criança se desenvolve numa velocidade muito grande e precisa rapidamente de mais espaço. “Ele literalmente empurra os ossos para fora. Se nessa fase, ou mesmo ainda dentro do útero da mãe, houver um obstáculo em determinada região, essa parte crescerá menos que as demais, acontecendo assim o achatamento da cabeça”, explica.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo 

Jornal de Alphaville entrevista Dr. Gerd Schreen, da Cranial Care, sobre o tratamento de plagiocefalia posicional

Assimetria craniana exige atenção

Por Ludmilla Amaral

A cabeça de um bebê recém-nascido demora alguns meses para se formar e enrijecer e, caso não haja o cuidado necessário, alguns problemas no crânio podem aparecer, como a plagiocefalia posicional, que  é uma assimetria detectada no crânio das crianças, deixando o bebê com a cabeça nitidamente torta.

Segundo Dr. Gerd Scheen, especialista em assimetrias cranianas no Brasil, sem o tratamento adequado a deformação pode gerar dificuldades no fechamento da mandíbula, desalinhando visualmente, além de outros problemas funcionais.

Para ler a notícia na íntegra, clique na imagem abaixo

 

 

 

Jornal Cidade de Barueri entrevista Dr. Gerd Schreen, da Cranial Care, sobre assimetria craniana em bebês

Assimetria craniana: Bebês merecem cuidados

O termo assimetria craniana é algo que para muitas pessoas, principalmente para os pais de bebês, pode soar como mais uma deficiência qualquer. Em termos de tratamento, no Brasil, é matéria relativamente nova.

Felizmente, o País conta hoje com um especialista em assimetria craniana, o Dr. Gerd Schreen – que passou pela situação há poucos anos com sua filha e então resolveu pesquisar o tema a fundo.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Dr. Gerd Schreen, da Cranial Care, fala sobre prevenção da plagiocefalia posicional em matéria do Jornal do Morumbi

Plagiocefalia Posicional

Bebês com a cabeça torta ou achatada podem ter problemas de assimetrias cranianas, conhecida como plagiocefalia posicional. As assimetrias são causadas em duas situações: quando o espaço para formação do bebê, no útero, é estreito, principalmente em caso de gêmeos, ou, esta bem mais comum, quando a mãe tem o hábito de deixar o bebê sempre na mesma posição durante o sono, amamentação e pelo uso excessivo da cadeirinha de veículos. O Dr. Gerd Schreen, da Cranial Care, único especialista a realizar o tratamento na América do Sul, recomenda que as mães alternem a posição do bebê para evitar o achatamento da cabeça.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Dr. Gerd Schreen, da Cranial Care, fala sobre plagiocefalia posicional à revista Bebê

Plagiocefalia Posicional 

Muitos bebês, apesar de aparentemente nascerem saudáveis, no decorrer dos meses apresentam sintomas que podem interferir no desenvolvimento  ao longo dos anos e gerar traumas por toda a infância, até mesmo na fase adulta.

A Plagiocefalia Posicional é um tipo de deformidade no crânio que acomete bebês e que precisa ser tratada entre os quatro e quatorze meses de idade. A doença está ligada diretamente à posição viciada que o bebê dorme. Um estudo norte-americano aponta que cerca de 12% dos bebês apresentam alguma deformidade na cabeça.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Revista DOC conta trajetória de sucesso do Dr. Gerd Schreen, da Cranial Care

Uma carreira, uma paixão

Por Bruno Garcia

A construção de uma carreira de sucesso passa por diversas etapas, planejamento levado a sério e trabalho duro. Os médicos cujas fotos estão nessas duas páginas sabem bem o que é isso.

Em muitos casos, a busca por essa realização passa por superar grandes obstáculos, como fez, por exemplo, o cirurgião vascular Gerd Schreen. Aos 40 anos e com reputação já consolidada na cirurgia, ele resolveu investir em um novo projeto, a Cranial Care – única clínica especializada em assimetrias cranianas na América Latina. Além de encarar um mercado totalmente diferente do seu, Schreen teve que resistir à pressão dos colegas e dos familiares.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

Revista Caras publica artigo sobre plagiocelia posicional assinado pelo Dr. Gerd Schreen, da Cranial Care

Bebês que deitam só de um lado às vezes ficam com assimetria craniana

Chama-se plagiocefalia a situação em que o crânio da criança, visto de cima, apresenta duas metades assimétricas,  ou seja,  com forma e tamanho diferentes. A rigor, vale alertar, nenhum crânio apresenta duas metades iguais, mas há uma “faixa de normalidade”. Assimetrias visíveis, que chamam a atenção e incomodam, caracterizam a plagiocefalia.

Para ler o artigo na íntegra, clique na imagem abaixo

 

Clínica Cranial Care é destaque no jornal O Estado de São Paulo em matéria sobre tratamento de plagiocefalia posicional

Deformidade na cabeça de bebês é tratada com capacete

Por Clarissa Thomé / Rio

Ao mostrar a foto do filho Felipe, de 6 meses, a cordenadora jurídica Mayra Margionti Benartti, de 32 anos, foi surpreendida com o comentário da amiga. “Também preciso comprar um capacete desses para aminha neta”. Teve de explicar que o objeto não é para proteção contra quedas, mas uma órtese para corrigir a plagiocefalia posicional, que atinge 12% dos bebês, segundo estudos americanos, e que até pouco tempo não tinha tratamento no Brasil.

A plagiocefalia posicional é uma defornidade na cabeça do bebê. Ele pode nascer assim, por conta da posição em que ficou no útero – e há maior chance de melhora espontânea. Ou desenvolve a assimetria nos primeiros meses. ” Isso ocorre por um apoio viciado, o bebê apoia mais um lado do que o outro. O osso ‘entende’ que não pode crescer ali e se desenvolve para o lado oposto”, explica Dr. Gerd Schreen, sócio fundador da Cranial Care, primeira clínica especializada da América Latina.

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo

 

Dr. Gerd Schreen, da Cranial Care, fala sobre estenose craniofacial à revista Malu

Tem solução!

Por Tatiana Santos

Até algum tempo atrás, pouco se ouvia falar sobre deformidades no crânio que, segundo estudo norte-americano, afetam 12% dos bebês. O problema despertou a curiosidade de muitas mães após Roberto Justus revelar que sua filha, Rafaella, submeteu-se à cirurgia para corrigir a estenose craniofacial, deformidade óssea que em nada interfere no desenvolvimento intelectual e motor da criança.

“Como os sofisticados métodos de ultrassonografia 3D, é possivel identificar ainda no útero algumas das principais deformidades cranianas e faciais. No ultrassom morfológico, são verificados medidas e índices que podem sugerir as deformidades, embora algumas possam não ser detectáveis nessa fase”, explica Dr. Gerd Schrreen, especialista em assimetrias cranianas.

Para ler a notícia na íntegra, clique na imagem abaixo

Dr. Gerd Schreen, da Cranial Care, fala sobre assimetrias cranianas à revista Bebê e Gestante

Falando de … Assimetria craniana em bebês

A chegada de um bebê é cercada de cuidados. Os pais buscam informações sobre tudo que envolve a rotina da criança. No entanto, as assimetrias cranianas quase nunca são abordadas.

Essas assimetrias são caracterizadas por achatamentos ou deformidades na cabeça do bebê e podem acontecer por diversos fatores.

Para ler a notícia na íntegra, clique na imagem abaixo

Dr. Gerd Schreen, da Cranial Care, fala à revista DOC sobre como estimular pacientes a seguirem com tratamento

Como garantir a ADESÃO DO PACIENTE ao tratamento?

Por Camila Pinto

A baixa adesão a tratamentos é um problema vivido pelos médicos. Em países desenvolvidos, a taxa de adesão em longo prazo é em torno de 50%. Em países em desenvolvimento, é ainda menor. Apesar de os médicos investirem na relação de confiança com seus pacientes, existem variantes que dificultam esse processo. Eles enfrentam problemas com adaptação a novas rotinas, plano de saúde, dificuldades financeiras do paciente e falta de informação. Nessa edição, a revista DOC pergunta: como encontrar formas eficientes de garantir a adesão ao tratamento?

“O primeiro passo essencial para que o tratamento chegue até o fim é uma boa relação entre o médico e o paciente. Ao mesmo tempo em que você pode ter um resultado evidente que estimula o paciente a permanecer no tratamento até o final,você  pode ter resultados não tão animadores. E nesse momento a transparência é essencial”, diz Dr. Gerd Schreen, sócio fundador de Cranial Care.

Para ler a notícia na íntegra, clique na imagem abaixo